Dica de exposição: 'Conhecimento: Custódio e Acesso'

Exposição que está no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, até 29 de abril, faz um resgate da memória da informação científica e tecnológica. Acessibilidade e recursos tecnológicos são destaques.

Publicada em 27 de abril de 2012 - 17:15

Placa da exposição em que se lê ''Conhecimento: Custódio e Acesso'

Nenhuma nação alcançou a condição de desenvolvimento sem um sistema forte de produção de informação científica e tecnológica. A emergência de um novo ciclo de desenvolvimento no país convida os segmentos envolvidos com a produção intelectual a contribuir com sua força de trabalho. O ciclo da produção científica envolve em sua cadeia de trabalho o esforço, não somente de investigadores cientistas especializados, mas também do sistema de suporte à informação da USPSite externo.. Entender em sua dimensão mais larga o papel adjutório dos agentes de informação na construção do conhecimento novo ajuda-nos a compreender as singularidades do processo de inovação e criação do conhecimento.

Esta exposição fará um resgate a memória da informação científica e tecnológica, procurando recuperar uma perspectiva crítica da ação do sistema de informações da Universidade de São Paulo na qual buscaremos destacar sua função social das bibliotecas, com vista ao planejamento do futuro e à integração agente deste segmento no novo ciclo de desenvolvimento que se faz anunciar.

Embora a mostra seja realizada como parte das celebrações da efeméride dos 30 anos de criação do Sistema Integrado de Bibliotecas da USPSite externo., não se trata de uma exposição focada nesse tópico. O argumento curatorial debruça-se sobre a problemática do resgate, preservação e acesso ao conhecimento para assinalar a tensão envolvida na relação entre esses elementos e as mudanças excepcionais que as novas tecnologias de informação e comunicação vêm produzindo na sociedade contemporânea, no sentido da democratização crescente do acesso ao legado de conhecimento da humanidade que sempre se abrigou nas bibliotecas ao longo da história. Neste escopo a temática da acessibilidade será abordada sob o ângulo da inclusão social.

Está sendo planejada em três módulos:
PRIMEIRO MÓDULO
O primeiro módulo ou de transição, será desenhado para preparar o visitante para a exposição retirando-o gradativamente da realidade presente. Neste módulo o visitante encontrará um overview sobre as formas de entendimento do conhecimento, principiando pelos mitos criacionistas ocidentais. Neste ambiente o conhecimento é marcado por um stress de origem que o coloca na condição de “pecado original” e por mandato divino passa a ser de responsabilidade religiosa. Este ponto marca a condição do Sacro em contraposição ao profano que se desenrola em um processo de laicização, no qual as universidades passam historicamente a ser agentes. Em seguida o módulo passa a retrospectiva de São Paulo em ciclos históricos (1920-2011). Como da nova republica emerge o debate para a criação de uma universidade paulista. O modernismo e o questionamento da política da velha aristocracia paulista; a memória dos saberes e projetos para a inteligência da USP a partir dos seus operadores intelectuais. A memória da revolução de 1930 e a visualização dos impactos desta na construção do Ministério da Educação e Saúde e da criação da Universidade de São Paulo. Neste módulo terão destaques figuras como Armando de Sales Oliveira Interventor do Estado e fundador da USP e outras figuras relevantes para história da USP.

SEGUNDO MÓDULO
O segundo módulo será integrado pelos antecedentes que influenciaram e conduziram a formação dos serviços de documentação e biblioteca de São Paulo. Neste bloco se apresenta a formação das bibliotecas e acervos científicos; os pioneiros bibliotecários em São Paulo, a memória do primeiro curso de formação de Bibliotecários do Mackenzie College em 1936, que funcionou com o apoio do Departamento de Cultura da prefeitura Municipal de São Paulo. O papel de Rubens Borba de Moraes e Adelpha SiIva Rodrigues de Figueiredo com a criação em 1938 da Associação Paulista de Bibliotecários e do curso de Biblioteconomia da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESP-SP). Evidencia-se, assim, o papel do ativismo associativista de classe na modernização dos processos de recuperação e pesquisa bibliográfica, automação e inovação tecnológica. Finalmente, o visitante conhecerá as articulações que levaram a formação da pós-graduação em Ciência da Informação e à criação do Sistema de Bibliotecas da USP.

TERCEIRO MÓDULO
O terceiro módulo se apoiará na experiência e desenvolvimento da tecnologia da informação para apresentar a biblioteca do futuro. Neste módulo pretende-se provocar o visitante para um exercício de futurologia no qual se questiona como será a biblioteca do futuro? Para este efeito se apresentarão idéias do passado, iniciando com visionários do século XVI até nossos dias. Este módulo constará de depoimentos de renomados cientistas bibliotecários e figuras de destaque sobre a visão de futuro deles, estes depoimentos serão apresentados em telas verticais de LCD, ou em painéis impressos em banners. Projeções no teto, nas paredes, dentro de armários apresentam o dilema de Platão que contrapõe a tecnologia que cria exo-memórias com as mudanças na forma do homem se relacionar com o conhecimento.

Para introduzir o visitante neste espírito, serão utilizados recursos multimidiáticos de última geração como vídeo digital, efeitos sonoros em surround, flash movies, java games para celular, em estreita complementaridade com registros fotográficos documentais e objetos de época que testemunham os principais momentos do desenvolvimento das universidades e dos sistemas de bibliotecas no Brasil.

Em todos os módulos, os efeitos sonoros cumprem um papel fundamental, criando uma paisagem e uma ambiência especial. Livros raros e peças de bibliotecas antigas e modernas se espalham ao redor de uma grande instalação de livros e teses produzidas na USP. Distintas tecnologias de recuperação de informação existentes hoje, sistemas de gestão e acesso a conteúdos advindos de diferentes partes do mundo serão apresentados e disponibilizados ao público em geral. Um cuidado especial será dado aos critérios de acessibilidade para levar à integração de todo e qualquer visitante da exposição.

LOCAL: MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA
Praça da Luz, s/nº – Centro – São Paulo – SP
PERÍODO: 12 de Março a 29 de Abril de 2012
HORÁRIO: das 10h às 18h (de terça a domingo)
PÚBLICO-ALVO: Alunos de ensino médio, universitários e pós-graduandos, pesquisadores, professores e profissionais interessados em produção do conhecimento, recursos de acesso e recuperação de informação, acervos e bibliotecas memoriais.
EVENTO TOTALMENTE GRATUITO

Fonte: http://www.sibi.usp.br/30anos/Site externo.

Comentários

Enviado em 28/04/12 às 19h42

Marina (mayonashiro@gmail.com):

está tendo também na Pinacoteca uma exposição com recursos de acessibilidade, de 29 de abril a 15 de julho.
http://www.fundacaodorina.org.br/blog/2012/04/abertura-da-exposicao-sentir-pra-ver/

Contribua com seu comentário!

©2014 Espiral Interativa. O conteúdo produzido por colunistas e blogueiros, bem como os comentários de leitores publicados no Vida Mais Livre, não refletem a opinião da redação do portal.