Oportunidade de emprego para pessoas com deficiência é realidade em Jundiaí, SP

Foto de um cadeirante com terno mexendo em um notebook
Compartilhe:

De um lado, empresas da região com mais de 400 vagas abertas a pessoas com deficiência. De outro, pessoas de toda região com alguma deficiência que buscam por uma chance profissional. Para aproximar esses interesses, uma ação combinada entre a Prefeitura de Jundiaí e a iniciativa privada com o objetivo de selar este encontro. Foi assim a ação “Prazer em Conhecer Efetivando”, desenvolvida pelo Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), com apoio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia e da Coordenadoria da Pessoa com Deficiência.

A atividade tomou todo o espaço do Centro das Artes, no Centro, na manhã do último dia 4. No local, cada uma das 20 empresas participantes contava com dois ou três funcionários que recebiam os interessados para a realização de um cadastro único, que passa a integrar um banco de dados dessa mão de obra específica. As entrevistas começaram a ser feitas no interior do PAT (Posto de Atendimento ao Trabalhador). Depois, em razão do movimento, tomaram os bancos e cadeiras de todo espaço térreo do prédio.

Algumas pessoas já saíram de lá pré-selecionadas para uma vaga. Representando uma empresa do segmento alimentício, Bruna e Luciane adiantaram que “alguns candidatos chamaram nossa atenção”. O próximo passo é uma nova entrevista e a entrega da documentação necessária para a conquista da tão sonhada vaga.

Adriana Cristina dos Santos, 32 anos, contou que ficou sabendo da oportunidade nas aulas do EJA (Educação de Jovens e Adultos) e que mal dormira à noite pela ansiedade. Moradora do Ivoturucaia, a cadeirante – que tem uma paralisia cerebral leve – diz que nunca trabalhou. Mas está confiante. Comovida, acredita que a hora finalmente tenha chegado. “Eu estou muito emocionada. Adoro recepcionar e lidar com o público. Quem sabe eu consiga uma vaga de atendente”, desabafa, em tom confiante. A jovem chegou ao Centro com o veículo especialmente adaptado cedido pela Prefeitura. Estava de passagem. Após a entrevista, seria levada à Amarati, onde já desenvolve atividades no setor ocupacional, com vistas à coordenação motora.

Assim como ela, centenas de pessoas são aguardadas para passar pela seleção. Ao todo são 400 vagas abertas pontualmente para essa iniciativa, com o objetivo não apenas de atender a Lei de Cotas para Deficientes, mas de gerar a participação econômico-social pela porta da oportunidade. “Nós conseguimos um ônibus para trazer todos os alunos deficientes do EJA (Educação para Jovens e Adultos) que não tenham capacidade de locomoção”, conta Reinaldo Fernandes, responsável pela Coordenadoria da Pessoa com Deficiência.

A coordenadoria, aliás, manteve uma espécie de estande por ali, com distribuição de folders sobre os direitos do deficiente e da campanha ‘Estacione Consciente’, além de encaminhar quem vinha chegando.

Oportunidade

Para a coordenadora do PAT, Cida Gibrail, “é uma excelente oportunidade para os serviços sociais de inclusão se conversarem. Hoje, temos aqui o INSS, que pretende reincluir aquelas pessoas afastadas. Temos o NAPD (Núcleo de Apoio à Pessoa com Deficiência), que encaminhou diversos assistidos. Temos a Coordenadoria da Pessoa Com Deficiência. Enfim, é uma oportunidade única, e sem nenhum custo financeiro”.

Já o diretor de Indústria da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia. Gilson Pichioli, diz que o retorno das empresas foi tão positivo que o número de vagas não foi suficiente para atender a todos.

“Mas essa é uma primeira ação integrada. Nosso objetivo é que iniciativas como essa sejam realizadas com regularidade”, prevê, adiantando a participação da Prefeitura de Jundiaí na feira internacional de logística Brasil Log 2014, a ser realizada no Parque da Uva entre 22 e 24 de outubro.

“Além do estande da Prefeitura, montaremos um espaço da Coordenadoria da Pessoa com Deficiência, no intuito de aproximar a demanda das empresas de logística com essa mão de obra.”

A diretora de Recursos Humanos do Ciesp de Jundiaí, Vânia Mazzoni, estava satisfeita com as parcerias no sentido da divulgação da oportunidade. “Quando decidimos realizar esse programa, não sabíamos ao certo o que ia acontecer. Felizmente, já tinha gente aqui às 7h30. Quem fizer o cadastro e, por acaso, não for chamado, poderá ser selecionado em atividades futuras. O principal objetivo é ter esse banco de dados em mãos para trabalharmos a partir disso”, diz Vânia.

O PAT continua fazendo o cadastro dos deficientes durante o horário de funcionamento, de segunda a sexta, das 8h às 16h30, no Centro das Artes. O candidato que for efetivado, inclusive, não perde nenhum dos benefícios enquanto deficiente.

Fonte: G1