Segunda edição do VerOuvindo abre as portas do cinema para todos em Recife

Foto do cartaz do Festival VerOuvindo
Compartilhe:

Filmes pernambucanos e nacionais serão exibidos de graça e com acessibilidade comunicacional de 8 a 12 de abril no Recife. A segunda edição do Festival VerOuvindo traz, para as grandes telas, curtas e longas metragens editados com audiodescrição (técnica de tradução de imagens) e Libras (língua brasileira de sinais). As sessões acontecerão no Museu Cais do Sertão, no Cinema São Luiz.

Durante cinco dias, pessoas com deficiência visual ou auditiva terão acesso a uma linguagem geralmente intraduzível para elas: o cinema. A possibilidade de debater sobre a acessibilidade no audiovisual é também um ponto alto do evento. A proposta é envolver os diretores dos filmes, os profissionais da acessibilidade (audiodescritores e intérpretes de Libras) e o público em reflexões sobre a inclusão de pessoas surdas, cegas ou de baixa visão no cinema e demais aparelhos culturais.

A mesa de abertura será no dia 8 de abril, na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), e contará com a participação da audiodescritora Lívia Motta (SP) e da produtora e narradora Márcia Caspary (RS).

Mostra competitiva
Outro destaque do VerOuvindo é a Mostra Competitiva de curtas nacionais com audiodescrição. Foram inscritos filmes de São Paulo, Rio de janeiro, Brasília, Santa Catarina além dos pernambucanos. Serão premiados: o Melhor Roteiro de Audiodescrição (1º, 2º e 3º lugares), a Melhor Locução e a Melhor Audiodescrição pela escolha do Júri Popular (o público cego poderá votar com cédula braille.)

Haverá também a categoria "Melhor Filme para Reflexão". O reconhecimento será dado à obra capaz de fomentar debates e discussões após sua exibição. A Federação Pernambucana de Cineclubes – Fepec, entidade parceira do festival, é a responsável pelo prêmio.

Homenagem
O grupo de pesquisa da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Tramad é o homenageado deste ano. Eles irão receber o prêmiohors concours da Mostra Competitiva de Curtas com Audiodescrição. O filme A Fábrica produzido pelo grupo será exibido no dia 8, às 18:30, antes da mesa de abertura na Unicap.

Produção da acessibilidade comunicacional
A gravação da acessibilidade comunicacional só foi possível graças à parceria com a Universidade Católica de Pernambuco (Unicap). Já o roteiro da audiodescrição foi elaborado por Liliana Tavares com consultoria de Milton Carvalho. A narração dos filmes é de Marcello Trigo e a leitura das legendas

de Bruna Cortez e de Robson Souza. A tradução e a interpretação da Libras foi realizada por Anderson Almeida com consultoria de Thiago Albuquerque.

Incentivo da Ancine
De acordo com a audiodescritora e idealizadora do evento, Liliana Tavares a segunda edição do VerOuvindo acontecerá em um cenário favorável. “Em dezembro do ano passado, a Ancine estabeleceu que todos os projetos de produção audiovisual financiados com recursos públicos federais deverão ter audiodescrição, Libras e legendas para surdos. É um grande passo para a ampliação do acesso à cultura”, destaca. “O VerOuvindo é o festival que premia esta categoria contemplada pela Ancine. Planejamos, em 2016, premiar audiodescrição em dinheiro com o intuito de fortalecer a produção de qualidade dessa tecnologia assistiva”, completa Liliana.

Programação
Na programação estão os curtas: Olhar Surdo de Cláudia Moraes, Deixem Diana em Paz de Júlio Cavani, Cadeira de Arruar de Chico Egídio, Lua Nova do Penar de Leila Jinkings e os longas Uma passagem para Mário de Eric Laurence e Meninos de Kichute de Luca Amberg.