Pai que priorizou tratamento da filha afasta risco de despejo

Foto de Aparecido ao lado de sua filha Bianca
Compartilhe:

Após passar seis meses sob o risco de despejo, o técnico em plásticos Aparecido Covo Valério, 57, agora já respira bem mais aliviado.

A casa onde mora com a família, na zona sul de São Paulo, corria o risco de ir a leilão. Sem dinheiro, ele abriu mão de pagar o financiamento do imóvel e investiu os recursos que tinha no tratamento de saúde da filha Bianca, 20.

Mas, cinco dias após a Folha de São Paulo revelar a história e divulgar uma campanha feita por ele no Facebook, Aparecido arrecadou R$ 147 mil. A campanha do técnico pedia R$ 15 mil para que ele renegociasse a dívida com a Caixa.

Bianca tem uma doença neuromuscular incurável e vive numa cama desde bebê.

Aparecido ainda não voltou a falar com representantes do banco, mas está seguro de que vai conseguir entrar num acordo. "Eu não esperava toda essa repercussão. Demos um passo enorme e acho que vamos quitar nossa casa. Quero agradecer a cada um que se sensibilizou com a história e nos ajudou", disse.

Aparecido afirmou que foi orientado por sua advogada a depositar o dinheiro imediatamente em juízo para renegociar a dívida. "Até outubro de 2014, eu devia R$ 184 mil. Se os juros não fizeram subir muito, estamos bem perto de conseguir", disse.

A casa onde Aparecido mora com a mulher, sogra e os dois filhos é simples e não tem nem sequer um portão na entrada. Os móveis e os eletrodomésticos são antigos.

Bianca nasceu em 1994 após complicações no parto. Com dez meses de idade, ela foi diagnosticada com uma doença incurável. Valério está à procura de um emprego.

Ele disse que um empresário da cidade de Leme (188 km de SP) ofereceria um serviço para ele, mas ainda não teve uma resposta.

"Preciso ajudar a minha família, mas a crise apertou e as coisas estão difíceis. Essa ajuda nos salvou", diz.

Fonte: Folha de São Paulo