No CE, universidade cria ‘multa moral’ para quem estaciona em local errado

Foto da multa criada pela universidade
Compartilhe:

A Secretaria de Acessibilidade da Universidade Federal do Ceará (UFC) criou uma ''multa moral'' que vale como um ''puxão de orelha'' para quem usar vagas destinadas a idosos ou pessoas com deficiência de forma irregular.

Inicialmente, a ideia era aplicar as multas dentro na universidade, mas a iniciativa ganhou adeptos que passaram a usá-las em toda a capital do estado. “Quando lançamos [o projeto] teve muita adesão”, conta o servidor Davi Cândido da Silva, um dos responsáveis pelo projeto.

A instituição disponibilizou a multa para impressão no site há pouco mais de um mês.

O documento traz frases como ''as penalidades são as previstas pelo bom senso'' e "reflita melhor e não cometa esse erro da próxima vez''. Também pede com bom humor que o motorista aceite o ''puxão de orelha”. Quem aplica a multa deve indicar qual dos três motivos gerou a infração: "estacionar em vaga destinada a pessoas com deficiência'', estacionar em frente à rampa de acesso ou rebaixamento de guia'' ou "estacionar em vaga destinada a idosos.

Atualmente, é comum encontrar a “multa” nos estacionamos da universidade, principalmente, no departamento de acessibilidade. “A gente sentiu o retorno e já tem fotos de pessoas utilizando em outros lugares”, conta Silva, explicando que o documento faz a parte dele e evita o constrangimento caso as pessoas decidissem reclamar pessoalmente com o infrator.

Inspirado em Blumenau

Segundo o servidor, a campanha na UFC surgiu devido à frequência com as vagas reservadas eram usadas de forma errada. Silva explica que a ideia da campanha surgiu em Blumenau (SC), em 2011, com a campanha “essa vaga não é sua nem por um minuto”. “Para evitar aquela desculpa de 'vou ficar só um minuto' que as pessoas usam muito”, contou Silva. A cidade obteve bons resultados e a UFC espera conseguir o mesmo dentro e fora da área da universidade.

No site da Secretaria de Acessibilidade da UFC, além do documento, é possível encontrar uma explicação de como utilizá-lo e sobre leis de trânsito. O órgão pede que, ao se depararem com uma infração e utilizarem a “multa”, as pessoas fotografem e enviem a foto sem as placas dos veículos para a página especial no facebook.

A professora universitária Vanda Magalhães é uma das pessoas que aderiram ao uso da “multa” e disse acreditar nos resultados da iniciativa. “Não é punitivo, mas alerta”, disse ela. “Ando com o papel na bolsa. Aonde eu vou, se eu vejo um carro em [estacionado] em local proibido, eu uso”. A professora, que atua no departamento de Letras, Libras e Estudos Surdos, fotografa e envia para as redes sociais quando usa o documento.

Fonte: G1