Tetraplégica realiza sonho de criança e escreve quatro livros com a língua

Foto de Ana Cris digitando com a língua
Compartilhe:

A paralisia cerebral que provocou a tetraplegia em Ana Cris Ferreira, de Campos dos Goytacazes, no Norte Fuminense, não tirou dela um sonho que carregava desde a infância: escrever os próprios livros. Aos 54 anos, ela conta que conseguiu chegar ao quarto livro publicado teclando com a língua. O primeiro, feito ainda na máquina de escrever, aos 28 anos, demorou cinco anos para ficar pronto. Para publicar a obra, contou com a ajuda de doações. Com o sucesso nas vendas, a escritora conseguiu adquirir um computador, adaptou o teclado, publicou outros três livros e, para 2015, mais dois estão sendo preparados.

Ana, que atualmente reside em Niterói, no Rio de Janeiro, tem uma mobilidade que não permite um controle completo dos movimentos, além de ter a voz um pouco distorcida. De acordo com a escritora, a sequela surgiu no nascimento.

"Passei da hora de nascer. Então, faltou oxigênio  no meu cérebro. O médico disse que eu não passaria dos 4 anos de idade. A maioria confunde esse tipo de deficiência com a deficiência intelectual, por causa da parte motora", destacou Ana Cris.

"Não sou apenas escritora, sou formada em Pedagogia, Psicopedagogia, tenho curso de espanhol. Ser escritora é uma forma de explicar como uma pessoa com a sequela de paralisia cerebral vive, tem suas dificuldades passa por muitos preconceitos, mas com oportunidade pode 'ser alguém'! Ser escritora é a oportunidade de ser porta-voz daqueles colegas que possuem a mesma sequela", declarou a escritora.

Nos livros publicados, Ana Cris escreve sobre superação e a inclusão de pessoas com deficiência. O título de sua primeira obra, “AnAlfaBeta”, escrita na antiga máquina de escrever elétrica, surgiu depois que, ao tirar o documento de identidade, no lugar da assinatura, veio carimbada a palavra “analfabeta”.

Já com o computador, ela conseguiu a segunda publicação, “Transformação”, em que narra sua luta incessante, concentrada num ponto: ser uma pessoa. Em “Lesão Cerebral, Superando os Obstáculos do Dia a Dia”, a escritora explica que uma pessoa com paralisia cerebral, independentemente da sua sequela, pode ser, dentro do possível, uma pessoa cognitivamente normal.  Já em “A Inclusão na Prática, Respeitando a Diferença”, a autora esclarece sobre o tema com palavras simples, diretas e objetivas aos profissionais das áreas de educação e saúde, e também às famílias de pessoas com lesão cerebral. No livro ela conta sua experiência de vida e formação profissional.

“Se nós tivermos oportunidades, sensibilidades e acessibilidades, poderemos ter uma vida, na medida do possível, dentro do normal”, declarou Ana Cris.

Os custos para publicar os livros ficaram por conta da escritora, mas ela ainda contou com alguns apoiadores e amigos. Outro fato interessante é que Ana utiliza nas capas de suas obras uma borboleta, que a autora considera símbolo de transformação.

Projetos futuros
Ana se prepara para escrever mais dois livros. A ideia, segundo ela, é fazer algo para o público infanto-juvenil e outro ligado à sexualidade da pessoa com deficiência. Os temas estão na fase da pesquisa para que depois as obras comecem a ser escritas.

“O livro infanto-juvenil será de vocabulário bem fácil. Uma das personagens será uma criança com paralisia cerebral, ou seja, a minha história. Quero passar para as pessoas como é tornar o impossível em possível. Mostrar que a realização de um sonho é fruto do esforço de cada um.  Além de escritora, também sou palestrante e desenvolvo o tema ‘Como lidar com seu aluno com paralisia cerebral’. Ministro para professores, diretores e coordenadores de escolas”, destacou Ana Cris, que também é graduada em pedagogia e pós-graduada em psicopedagogia.

Fonte: G1