Pensamento algébrico em atividades de aprendizes surdos

ícone de livro com lápis em fundo verde
Compartilhe:
O artigo 'A emergência do pensamento algébrico nas atividades de aprendizes surdos' está publicado na revista Ciência & Educação da Faculdade de Ciências da Unesp de Bauru.

SUMÁRIO

Neste artigo, o foco é a emergência do pensamento algébrico. Busca-se, nos discursos de aprendizes surdos, compreender como eles articulam os meios de mediação disponíveis nas situações de aprendizagem matemática em um processo de transformar objetos conceituais culturais em objetos de consciência. 

Explora-se como os aprendizes, envolvidos ativamente em práticas interativas (tarefas e diálogos), podem pensar algebricamente, mesmo que ainda não estejam recorrendo a signos alfanuméricos. 

Essas interações ocorrem quando os aprendizes trabalharam com um conjunto de atividades analisando representações visuais de sequências numéricas e as modelando com o apoio do micromundo MATHSTICKS (um ambiente digital). 

Os exemplos apresentados neste artigo mostram evidências da presença das três características do pensamento algébrico apontadas por Radford – indeterminação, denotação e analiticidade. Além disso, as análises indicam que a criação de um signo compartilhado para representar a ideia de variável foi decisiva para o desenvolvimento do pensamento algébrico dos alunos.

Leia artigo completo no site http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v22n1/1516-7313-ciedu-22-01-0237.pdf

Fonte: Assessoria