Americano com atrofia muscular faz mochilão nas costas de amigos

O americano Kevan Chandler não deixou que a atrofia muscular o impedisse de viajar com os amigos e embarcou em um mochilão pela Europa

Foto de três jovens atravessando a rua Abbey Road, com um rapaz menor carregado nas costas de um deles
Compartilhe:

Fazer um “mochilão” é um termo comum para viagens feitas por jovens. Mas para o americano Kevan Chandler, ganhou um novo significado na viagem que o americano  fez com três amigos pela Europa. Isso porque, no conteúdo de uma das mochilas, estava o próprio Chandler.

Na verdade, o americano sofre de atrofia muscular espinhal e, por isso, tem graves problemas de locomoção. Seu grande sonho era conhecer a Europa, mas não queria ir com sua cadeira de rodas motorizada.

Por isso, seus três amigos se revezaram em carregar Chandler nas costas em uma mochila especialmente fabricada para isso. “Minha cadeira de rodas é definitivamente onde eu estou mais confortável. Mas eu percebi que, por vezes, sair da sua zona de conforto vale a pena”, afirmou Chandler à revista People.

A ideia surgiu em 2013 quando Chandler e seus amigos foram explorar os esgotos da cidade de Greensboro, no Estado americano da Carolina do Norte. Como as cadeiras de rodas não conseguem circular pelos grandes encanamentos do local, o americano explorou o esgoto nas costas dos colegas.

Para a viagem pela Europa, Chandler ainda contou com a ajuda de diversas pessoas que doaram dinheiro para a aventura por meio de um site de financiamento coletivo. Ele também tem uma página no Facebook: We Carry Kevan.

Então, em junho, o americano e seus amigos partiram para conhecer a Irlanda, a Inglaterra e a França. Chandler se diz feliz por servir de inspiração para outras pessoas com atrofia muscular espinhal. Agora, o americano planeja escrever um livro sobre sua experiência internacional.

“Acho que estamos todos quebrados e deficientes de alguma forma. Isso é apenas menos óbvio para algumas pessoas. Portanto, a ideia de que temos de ser limitado por nossas deficiências apenas realmente não faz sentido para mim. A minha mensagem para as pessoas com deficiência extrema é se você tem algo que você quer fazer, você pode encontrar uma maneira de fazê-lo”, disse o aventureiro.

Fonte: Uol