Ceará: projeto beneficia torcedores com deficiência visual

Partida contou com audiodescrição para 11 torcedores com deficiência visual, resultado da parceria entre a Pro-Reitoria de Pós-Graduação da Unifor os clubes do Estado

Foto de homens jovens com deficiência visual. Eles estão sentados na arquibancada com fones de ouvido
Compartilhe:

A partida entre Ceará e São Paulo teve um significado especial para 11 torcedores, que foram beneficiados por uma iniciativa da Pro-Reitoria de Pós-Graduação da Unifor em parceria com os clubes de futebol do Estado, Prefeitura de Fortaleza, Conselho Estadual dos Direitos das Pessoas com Deficiência do Ceará, entre outros órgãos.

Pessoas com deficiência visual tiveram a oportunidade de acompanhar, de perto, a partida, que teve uma narração exclusiva para eles. A finalidade é promover a inclusão de cegos e pessoas com deficiência visual nos eventos esportivos.

De acordo com o professor da Unifor, Vicente Cristino, o projeto visa a inclusão social. “Essa ideia começou em um projeto de pós-graduação dos alunos da Unifor, onde a intenção é realizar um trabalho social. Desse projeto, a Procuradoria Federal convocou os clubes, Ceará e Fortaleza, a Sesporte, e outros seguimentos para juntos fazer esse piloto. Vamos trazer em cada jogo 11 torcedores com deficiência visual. Todos eles acompanhados de um familiar, com direito a transporte, ficando inclusive em camarotes. Mostramos com isso que pessoas com deficiência podem prestigiar esses eventos como qualquer outra”.

Tecnologia

Para acompanhar todas as emoções da partida, os torcedores receberam transmissão de audiodescrição com equipamentos fornecidos pelo Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência (CEDEF).

“Não é nada impossível. Os responsáveis pelas atividades e pela organização do evento podem seguir com esse trabalho. Queremos que haja uma disponibilização e um acesso facilitado para todo e qualquer pessoa com visual e que ele possa vir com seus próprios meios. Essa é a nossa proposta. Ter conseguido realizar esse primeiro dia é um estímulo”, considerou Nilce Cunha Rodrigues, procuradora da República.

Fonte: Diário do Nordeste