Teclado para pessoas com deficiência vence prêmio mundial de US$ 150 mil

Desenvolvido por empreendedores brasileiros, o dispositivo pode ser acionado com o toque de qualquer parte do corpo e também é compatível com sensor de piscadelas

Foto do Teclado Inteligente Multifuncional TiX. O equipamento tem uma superfície branca, com botões grandes e coloridos.
Compartilhe:

Empreendedores formados pela Universidade Federal de Minas Gerais venceram o prêmio Entrepreneur Hero durante a EdTech Innovation Start-up Competition 2018, realizada em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, com o Teclado Inteligente Multifuncional TiX.

O equipamento concorreu com outras propostas de tecnologias relevantes para ecossistemas educacionais de 58 países. Com a vitória, o projeto recebeu o investimento de US$ 150 mil.

“O produto nos orgulha porque foi concebido para gerar possibilidades e transformar a vida dos usuários”, afirmou o engenheiro eletricista formado pela UFMG, Adriano Rabelo Assis, diretor da startup Geraes Tecnologia Assistiva, responsável pelo TiX.

O teclado faz parte de um conjunto de soluções para facilitar o uso do computador por pessoas com limitação de movimentos e de coordenação motora. Ele possui 11 botões grandes e coloridos, espaçados e sensíveis ao toque. O acionamento de dois desses botões, em sequência, equivale a uma das teclas do teclado convencional.

“Para indivíduos com deficiência severa, é muito mais fácil apertar dois botões no TiX do que acertar um único ‘alvo’ no teclado convencional, sem esbarrar nas demais teclas. Livre da frustração de errar, o usuário é mais eficiente na digitação”, explicou Adriano Assis.

 

Por meio de uma sequência de toques, muda-se a função do teclado e pode-se operar o mouse. “Para pessoas sem coordenação motora fina, o desafio de manipular o mouse é ainda maior. As ações de clique duplo e de arrastar itens, por exemplo, são complexas e exigem precisão”, observou o engenheiro.

O TiX também funciona através do movimento dos olhos ao ser conectado com um detector de piscadelas, que pode ser instalado na haste de quaisquer óculos.

Confira mais detalhes sobre o projeto no site da Universidade Federal de Minas Gerais.

Fonte: Hoje Em Dia