Projeto traz brinquedos adaptados a crianças com deficiência em Florianópolis

Iniciativa é da prefeitura da capital catarinense, que já faz levantamentos da necessidade para ampliar o projeto

Foto de um grupo de adultos e crianças em um espaço aberto com balanços adaptados para pessoas com mobilidade reduzida
Compartilhe:

Uma iniciativa de inclusão foi implantada na Beira-Mar Norte, em Florianópolis. Com a instalação de um kit de quatro brinquedos adaptados para crianças com deficiência, agora elas têm mais chance e espaço para brincar onde nem sempre era possível. As informações são da NSC TV.

Em entrevista à reportagem, Everton, pai de Tales, diz que este novo projeto itinerante da Prefeitura de Florianópolis é uma iniciativa muito importante.

— Tales ficará mais ativo. Ele só fica parado, na cadeira de rodas — comenta o pai.

Gabriela é outra criança que teve a experiência no balanço adaptado enquanto os pais a embalavam. Dona Vera, mãe da menina, relata que a filha nunca tinha brincado nestes brinquedos, pois não há nada assim na cidade.

— É uma grande oportunidade para eles poderem brincar, interagir com outras crianças e se divertir. É um primeiro grande passo. Precisamos de brinquedos assim para ter em todas as creches, escolas e bairros, pois as crianças especiais também precisam e têm o direito de se divertir como qualquer criança — conclui.

Assim como Everton e Vera, Taís, mãe de Higor, também se mostra satisfeita com a iniciativa. Enquanto o filho brinca no skate adaptado, sorrindo, ela diz:

— É muito legal! Quando que o Higor ia poder andar de skate?! Ele não tem sustentação nas pernas.

Prefeitura pretende trazer mais equipamentos

Segundo Alexandre, coordenador de políticas públicas para pessoas com deficiência da Capital, a intenção da Prefeitura de Florianópolis é começar com este kit itinerante e deixá-lo na Beira-Mar Norte em alguns fins de semana. Durante a semana o kit pode ser emprestado para escolas, assim como para associações.

— A prefeitura já está fazendo um levantamento de qual é a necessidade destes equipamentos. Porque eles são móveis, então não podem ficar parados, ociosos — relata o coordenador.

A novidade não é exclusiva para crianças com deficiência, podendo ser compartilhada e utilizada em conjunto, promovendo a inclusão de pessoas com e sem deficiência física.

Fonte: NSC Total