11º Festival Nacional Nossa Arte reunirá mais de mil artistas com deficiência intelectual e múltipla

O evento acontece em Manaus (AM) de 19 a 21 de novembro

Foto de um grupo de pessoas com síndrome de Down em um palco
Compartilhe:

Inicia hoje, 19 de novembro, e segue até o dia 21 de novembro, o XI Festival Nacional Nossa Arte, promovido pela Federação Nacional das Apaes. O evento, que acontece em Manaus, reunirá cerca de 1.100 alunos artistas de 23 delegações de todo o Brasil. Estão programadas apresentações de dança, música e exposições de trabalhos de Artes Visuais, Artes Literárias e Artesanato. Em paralelo, também será realizado o 4º Encontro Nacional de Autodefensores.

O Festival, que está em sua 11° edição, tem como objetivo a inclusão de artistas com deficiência intelectual e múltipla atendidos pela Apae. “O festival é uma forma de tornar o mundo das artes acessível a essas pessoas, o que é importante para o desenvolvimento pessoal por meio do estímulo a aprendizagem”, explica o presidente da Federação Nacional das Apaes (Fenapaes), José Turozi.

A preparação para o Festival, que acontece a cada três anos, é intensa. Cada delegação realiza seu Festival Estadual Nossa Arte, onde são selecionados os trabalhos. A partir de então os artistas se dedicam para apresentarem o melhor projeto no Festival Nacional.

“O resultado é um show de beleza e superação”, conta Turozi.

Programação

A abertura oficial do Festival acontece hoje, às 19h, no centro de convenções do Studio 5. Nos demais dias, as apresentações começarão sempre às 8h e se estenderão por todo o dia, com entrada gratuita.

No segundo dia do evento, o público poderá prestigiar as apresentações de música e dança preparadas por alunos de diversas delegações. Apresentações de artes cênicas e dança folclórica marcarão o terceiro e último dia do Festival.

Encontro de autodefensores

No mesmo período acontecerá o 4º Encontro Nacional de Autodefensores, que reunirá 56 casais de todo país. Os autodefensores são considerados autoridades maiores de cada Apae, que tem o compromisso de levar a voz dos milhares de alunos das Apaes distribuídas pelo Brasil.

“São pessoas com deficiência intelectual ou múltipla que se organizam, estabelecem critérios de liderança para se fazer ouvir e terem as reivindicações levadas a sério”, explica José Turozi.

De acordo com a coordenadora nacional de Autogestão e Autodefensoria, Jaqueline Pilger, o encontro, visa fortalecer o Movimento de Autodefensoria da Rede Apae.

Além disso, o Encontro funciona como um pré-fórum, preparando assuntos e demandas para o Fórum Nacional de Autogestão, Autodefensoria e Família, que é realizado a cada três anos, em paralelo ao Congresso Nacional das Apaes.

“Nosso objetivo é o empoderamento da pessoa com deficiência, tornando-a protagonista de sua própria vida”, destaca Pilger.

A ideia é estimular o desenvolvimento da independência e autonomia da pessoa com deficiência intelectual e múltipla, nas mais distintas áreas da vida cotidiana, bem como formá-las quanto aos seus direitos sociais e civis. Como resultado desse esforço, cada vez mais a própria pessoa com deficiência tem assumido a defesa de seus direitos e lutado pela melhoria da sua qualidade de vida.

Com informações de assessoria de imprensa