Como anda o programa de diversidade e inclusão na sua empresa? – parte II

Hoje ouvimos pessoas discutirem preconceitos, vieses inconscientes e conscientes, mas o que fazemos para mudar isso?

Compartilhe:

É muito comum as empresas empenharem esforços frustrados em diversidade e inclusão, por deixarem de lado as questões apontadas no nosso último texto nesta coluna e terem foco apenas no recrutamento e seleção. Fazem isso por necessidade do cumprimento legal. Fazem isso por pressão. Fazem sem critério e sem conexão com os valores da sociedade. E aí vocês já sabem o que acontece: nada evolui, nada avança, nada muda.

A reflexão aqui é: uma vez que as etapas que são o alicerce de um programa de diversidade e inclusão, são consideradas, existem ações efetivas para atrair talentos? E para retê-los? As necessidades diversas dos funcionários são consideradas? Ou só fazemos o que é exigido em lei?

Então quer dizer que minha empresa precisa atender tudo o que meu funcionário desejar? Claro que não! Mas será que você já parou para refletir se existe equilíbrio entre as necessidades individuais e organizacionais? Quantas vezes nos deparamos com descrições de cargos que incluem atividades que nada tem a ver com a função, mas que para um grupo de pessoas torna a função excludente?

Hoje ouvimos pessoas discutirem preconceitos, vieses inconscientes e conscientes, mas o que fazemos para mudar isso? Olhe ao seu redor, veja e nos diga, qual é o índice de diversidade em sua empresa? Esse tema é discutido abertamente ou é pauta na comunicação interna? E externa? Será que sua empresa valoriza a diversidade na publicidade ou apenas repete o discurso preconceituoso e desnecessário que só prejudica a nossa sociedade? Os fornecedores contratados respeitam valores de diversidade e inclusão? E a derradeira perguntinha básica: os produtos e serviços da sua empresa atendem a diversidade, ou você acha que é só uma questão de segmentação e não de exclusão?

O programa de diversidade e inclusão deve ser avaliado constantemente e monitorado por indicadores que sustentam a sua qualidade e o seu impacto. Além disso, é importante que as ações de diversidade e inclusão sejam amplamente comunicadas pelos diversos meio de comunicação da empresa. Sua empresa participa precisa se envolver nos desafios da comunidade em que está inserida. Então deixo aqui mais uma pergunta: quantos eventos a sua empresa organizou ou participou sobre a temática de diversidade e inclusão?

Ainda há tempo para mudar e esse caminho precisa ser aprendido. Sabemos que são muitos questionamentos e que o desafio para colocá-los no eixo não são pequenos. Mas assim como cada um de nós, a organização disposta a mudar essa realidade busca se capacitar, desenvolve treinamentos sobre diversidade e inclusão, propaga a mensagem dos valores inclusivos, não tolera assédio de forma alguma e, tampouco, discriminação. E, acima de tudo, respeita não apenas seus funcionários, mas clientes e fornecedores.

Esse texto foi inspirado nas orientações e diretrizes dos “Padrões para organizações do mundo”, Global Diversitiy & Inclusion Benchmark, que recomendamos a leitura.