Empoderar as pessoas com deficiência intelectual é a melhor maneira de praticar inclusão

Infelizmente, o direito ao trabalho, à afetividade, ao voto, à sexualidade, entre muitos outros, são frequentemente negados às pessoas com deficiência intelectual.

Compartilhe:

A paulista Beatriz Paiva viajou com um grupo de jovens da Associação Carpe Diem para representar o Brasil na sede da ONU, em Nova Iorque. O motivo? Bia e seus colegas, que também têm a síndrome de Down, escreveram o guia ‘Mude o seu falar que eu mudo o meu ouvir’, um material que se tornou referência sobre o tema da acessibilidade na comunicação.

Edgar Epíscopo, 40 anos, trabalha comigo há nove anos. Didi, como é conhecido, realiza uma série de atividades fundamentais para a rotina do nosso escritório: pagamentos, correio, arquivamento de documentos, clipagem de jornais, atendimento ao público… Durante esse tempo, ele que também tem síndrome de Down, deixou a timidez de lado e passou a ter mais segurança para se expressar e se virar sozinho, inclusive na hora de vir trabalhar no centro de São Paulo.

Débora, Bia e Didi são exemplos bem-sucedidos da inclusão da pessoa com síndrome de Down. Suas vidas, contudo, não representam a realidade da maioria dos 2,6 milhões de pessoas com deficiência intelectual do nosso país, que ainda sofrem com a falta de acesso ao mercado de trabalho, com as barreiras de educação, da comunicação e ainda com o preconceito – a pior de todas essas.

E por falar nisso, neste ano nos deparamos com uma atitude extremamente preconceituosa e ultrajante vindo de uma desembargadora do Rio de Janeiro. Senti-me indignada com a desembargadora que publicou em rede social de magistrados uma ofensa à educadora Débora Seabra, que leciona há mais de 10 anos e viaja o Brasil realizando palestras sobre o combate ao preconceito. Ela é a primeira professora com síndrome de Down do país.

Débora respondeu com muita dignidade às ofensas da desembargadora afirmando que é professora auxiliar e que ensina muitas coisas às crianças. A principal é que elas sejam educadas e tenham respeito com as outras pessoas. Que aceitem as diferenças de cada um e ajudem a quem precisa mais.

Infelizmente, o direito ao trabalho, à afetividade, ao voto, à sexualidade, entre muitos outros, é frequentemente negado às pessoas com deficiência intelectual. Não por acaso, na Lei Brasileira de Inclusão, relatada por mim na Câmara e em vigor há dois anos em todo o país, aprovamos mudanças neste cenário, incorporando ao texto o direito de votar e ser votado, à saúde sexual e reprodutiva, ao matrimônio, entre outros.

A ideia da LBI é provocar na Justiça um novo olhar para a questão da interdição e das reais capacidades da pessoa com deficiência intelectual. Agora, o juiz terá de levar em consideração o desenvolvimento e amadurecimento de quem é curatelado. Essa decisão, claro, terá de ser analisada caso a caso e exigirá conhecimento tanto da Justiça quanto da família envolvida.

Aliás, para a maioria das mães e pais de pessoas com deficiência intelectual há um sentimento em comum: medo do futuro. O que meu filho fará quando eu não estiver mais aqui para orientá-lo? É a pergunta que ecoa entre as famílias.

Fato é que hoje já podemos assistir, ainda de forma incipiente, a inclusão das pessoas com deficiência intelectual na sociedade. No último Dia das Mães, por exemplo, a marca Johnson’s Brasil resolveu apostar em um bebê com deficiência para estrelar uma campanha nacional. Lucca Berzins foi o primeiro bebê com síndrome de Down a protagonizar um comercial em rede nacional.

Essas pessoas, que há poucas décadas tinham a expectativa de vida muito curta, agora lutam para perpetuar sua maturidade exercendo, entre outros, o direito ao matrimônio e a liberdade de escolha. E por mais medo e despreparo da sociedade, não podemos vetá-las de construir sua autonomia e decidir por elas mesmas seu futuro.

Assegurar a independência e promover a autonomia de uma pessoa com deficiência é, muitas vezes, um ato de amor. Como alguém que perdeu o movimento de braços e pernas, posso dizer o quão grata sou à minha família por ter me dado a oportunidade de produzir e realizar. Um direito que deveria ser regra a todos nossos filhos.

Neste mês de março, em que celebramos o Dia Internacional da Síndrome de Down (21/3), vamos permitir que as pessoas com deficiência intelectual busquem sua própria felicidade.