Paula Ferrari: modelo de autoestima

Compartilhe:

Conheça a história de Paula Pereira Ferrari, modelo e fisioterapeuta que se tornou paraplégica por conta de uma mielite transversa em 2011.

Paula Ferrari

Por Giovana Villari, da Reportagem do Vida Mais Livre

Paula Ferrari tem uma história de vida diferente. Formada emfisioterapia, sempre gostou de cuidar das pessoas e ajudá-las no processo de reabilitação. Tão intensa foi sua ligação com esse mundo que, por ironia do destino, Paula sofreu uma complicação por conta da anestesia durante uma cirurgia para a retirada de miomas e perdeu parcialmente o controle das pernas.

A mielite transversa, como é chamada a inflamação na medula espinhal, aconteceu em dezembro de 2011 e, desde então, Paula foi percebendo uma dificuldade progressiva no controle dos movimentos das pernas. Hoje, utiliza uma cadeira de rodas como auxílio para se locomover. Ela nunca perdeu a habilidade de andar, mas a dificuldade é grande. No máximo, caminha por curtas distâncias.

Como já trabalhava na área de saúde e reabilitação, a modelo entendia todo o processo pelo qual estava passando e reconhecia a gravidade, porém, por conviver com pessoas com deficiência, sabia que, independentemente de qualquer condição física, a felicidade morava dentro de cada um. Mesmo após a complicação, ela continuou trabalhando com fisioterapia no mesmo local, apenas com a mudança de perfil de seus pacientes. Também passou a ter algumas atribuições administrativas, o que, segundo ela, tem sido bem interessante, pois pode participar de uma outra forma com o seu trabalho.

Se para Paula, saber da sua situação foi menos complicado, o mesmo não se pode afirmar de sua família, que ficou bastante abalada. “Isso me fez ter uma postura mais otimista para que eles sofressem o menos possível com esse processo. Talvez isso tenha me dado forças para não pensar nas minhas próprias dificuldades e procurar mostrar que estava tudo bem”, relembra.

No início de 2013, a fotógrafa Kica de Castro, reconhecida por seus trabalhos com pessoas com algum tipo de deficiência, a convidou para fotografar. As duas já eram amigas e haviam feito alguns trabalhos juntas. De início, Paula achou loucura. “Pensei em não aceitar, mas vi nessa oportunidade a chance de viver novas experiências e melhorar minha autoestima. Pensei… Pensei… e, dias depois, decidi aceitar e encarar o desafio de algo novo – ser modelo-, e me apaixonar pelo trabalho”, conta.

Questionada sobre o que mais gosta na carreira, a modelo aponta a possibilidade de estar sempre em movimento. “Nenhum trabalho é igual ao outro. Conhecemos bastante pessoas novas, realidades diferentes e isso acrescenta não só como profissional, mas como troca de experiência de vida”, diz. Ela conta também que gosta de fazer editoriais de moda e campanhas em prol das minorias, e que, infelizmente, apesar de sua carreira estar crescendo, a remuneração como modelo ainda é restrita e inconstante, não sendo suficiente para sustentá-la.

Hoje, sua rotina já voltou ao normal. A modelo é completamente independente e procura dividir seu dia entre atividades físicas – ela faz parte do grupo de dança em cadeira de rodas Solidariedança –, cuidados com a casa e seus trabalhos, tanto como fisioterapeuta, quanto modelo.

Para seu futuro, Paula espera que as oportunidades como modelo cresçam bastante. “Quero continuar a trabalhar na área e me aperfeiçoar cada vez mais. Que venham novos trabalhos, novas oportunidades e novos horizontes.”

Fotos: Kica de Castro